Você está aqui: Página Inicial Caçadores de Neuromitos(II): desvendando os mistérios do cérebro

Caçadores de Neuromitos(II): desvendando os mistérios do cérebro

Projeto reúne neurocientistas brasileiros e estrangeiros para debater as “neurobobagens” e “neuromitos” espalhados na sociedade.

Na década de 1990, com boom das neurociências, muito se descobriu sobre o cérebro, órgão que nos faz interpretar o que vemos, ouvimos, sentimos, além de permitir a tomada de decisões e as emoções. Essas e outras funções tão vitais fazem com que qualquer pessoa, especialista da área ou não, se encante pelos mistérios do cérebro.

Desta forma, existem os “neuromitos” – informações erradas sobre as descobertas científicas do cérebro –, que podem causar problemas para a população, já que muitas pessoas gastam tempo e dinheiro em tratamentos, ensinamentos ou produtos que supostamente são baseados na ciência do cérebro, mas não são. Diante desse cenário, houve a necessidade de “caçar os neuromitos” e explicar para a população como o cérebro realmente funciona.

No ano de 2013, o projeto Caçadores de Neuromitos surgiu com o objetivo de reunir neurocientistas, brasileiros e estrangeiros, para popularizar as neurociências e desmitificar os principais mitos sobre o cérebro. Além de palestras e ações de divulgação científica, em 2015 foi lançado o primeiro livro da coleção “Caçadores de Neuromitos (I): o que você sabe sobre seu cérebro é verdade”. Neste ano, o projeto está com o segundo livro “Caçadores de Neuromitos (II): desvendando os mistérios do cérebro”.

Caçadores de Neuromitos é organizado pelo docente da Unifesp Orlando Francisco Amodeo Bueno, além da doutoranda Roberta Ekuni e a ex-estudante Larissa Zeggio. No primeiro livro participaram 25 neurocientistas colaboradores; já no segundo, 39. Todo o projeto é sem fins lucrativos e os direitos autorais e eventuais lucros com a venda são integralmente doados para o Fundo de Combate aos Neuromitos, administrado pela Larissa Zeggio.

Editora: IBIES

Organizadores: Orlando Francisco Amodeo Bueno, Roberta Ekuni e Larissa Zeggio.

Páginas: 330

 
Ações do documento